Inquérito da morte do pastor Anderson do Carmo tem contradições nos depoimentos da deputada Flordelis

Inquérito da morte do pastor Anderson do Carmo tem contradições nos depoimentos da deputada Flordelis

Primeiro, Flordelis declarou que encontrou marido baleado após ouvir barulho de disparos. Em segundo momento, ela afirmou que filhos não deixaram ela ver corpo de pastor.

A deputada federal Flordelis (PSD) se contradisse em seus depoimentos realizados na Delegacia de Homicídios de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, sobre a morte de seu marido, o pastor Anderson do Carmo.

No primeiro depoimento dado à polícia, no dia do assassinato, Flordelis declarou que no momento do crime ela estava dormindo e acordou pelo barulho de disparos de arma de fogo. No entanto, voltou a dormir já que mora em uma área próxima de comunidades e barulhos de tiros são comuns.

Minutos depois, ela teria sido acordada por gritos vindos da casa dela e que desceu para ver o que estava acontecendo. Neste momento, ela encontrou Anderson caído no chão da garagem com vários ferimentos.

Ainda neste depoimento, Flordelis caiu em contradição. Desta vez, ela disse que chegou de um passeio com o marido, foi para o quarto de um dos filhos e teria conversado com o filho Ramon. Cerca de dez minutos depois, ouviu uma série de disparos de arma de fogo.

Desta vez, Flordelis contou que ficou alguns minutos no quarto e depois, como Anderson não chegou, passou a pensar no pior. Alguns filhos teriam descido e avistaram Anderson alvejado na garagem.

Além disso, a deputada contou que os outros filhos não deixaram ela descer para ver a cena. Nesta versão, Flordelis não teria visto o corpo do marido na garagem como havia afirmado inicialmente.

A deputada federal Flordelis (PSD-RJ) fala sobre a morte de seu marido, o pastor Anderson do Carmo, durante entrevista na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, na terça-feira (25). 'Ninguém pode afirmar que foram meus filhos', disse ela — Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A deputada federal Flordelis (PSD-RJ) fala sobre a morte de seu marido, o pastor Anderson do Carmo, durante entrevista na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, na terça-feira (25). ‘Ninguém pode afirmar que foram meus filhos’, disse ela — Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Depoimento do filho levanta suspeitas de investigadores

A deputada falou que o filho Daniel pegou o pai e o colocou dentro do próprio veículo e prestou socorro, levando Anderson para o hospital. Foi esta versão que Flordelis manteve no segundo depoimento que prestou, oito dias depois do crime.

Daniel dos Santos de Souza, filho biológico de Flordelis, prestou depoimento dois dias depois da mãe. Ele disse que quando os disparos pararam, esperou por um minuto, foi ao quarto da mãe, mas não a achou. Continuou subindo as escadas e viu que a mãe estava no terceiro andar da casa, descendo as escadas gritando “mataram meu marido”.

O fato de Flordelis gritar que o marido estava morto, sem supostamente ter estado na cena do crime, foi apenas mais uma contradição que chamou a atenção dos investigadores. Segundo um dos filhos, Mizael, o depoimento de Daniel teria preocupado a defesa da deputada.

Mizael disse à polícia que durante uma reunião em família, Flordelis, olhando para Daniel, sugeriu que um dos filhos poderia mudar seu depoimento. Segundo a deputada, a pessoa poderia alegar que tinha sido um momento de nervosismo e sob forte emoção.

Em publicação no Facebook, a deputada relembrou o dia do assassinato do marido, Anderson do Carmo — Foto: Reprodução/ Facebook

Em publicação no Facebook, a deputada relembrou o dia do assassinato do marido, Anderson do Carmo — Foto: Reprodução/ Facebook

Filho diz que morte poderia ter sido causada por assaltante

Uma médica, da equipe que atendeu Anderson no Hospital Niterói D’or, disse que quando informou sobre a morte do pastor, o filho biológico de Flordelis Flávio comentou que o fato poderia ter sido assalto. Flávio vai a julgamento pelo assassinato do pai. Em depoimento, ele confessou ter atirado em Anderson e foi preso durante o enterro do pastor.

A versão de assalto foi repetida no depoimento de Flordelis. Ela contou que percebeu uma motocicleta ao seu lado e que na motocicleta havia duas pessoas encasacadas e encapuzadas

POR G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *